Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Café em Grão

Mas que alegria...

14.07.16

13620939_10206351466057964_9221135778475210370_n.j
(
A Yra foi à festa!)

Saímos de casa para apanhar o metro com uns amigos, seriam umas 17h deste último domingo.
Rumamos aos aliados no Porto para ver a final do Euro 2016.
No coração levávamos a esperança de ver Portugal consagrar-se vencedor no duelo com os gauleses. Sabíamos que seria difícil…
Chegados ao Porto, a fome apertava e como a hora do jogo coincidia com a do jantar, resolvemos aconchegar o estômago no Conga, famoso pelas suas bifanas. Nas ruas a festa já se fazia sentir, entre gritos de apoio e o som das vovuzelas , as pessoas mostravam a euforia pelo momento especial que Portugal estava a atravessar…não é todos os dias que vemos o nosso país numa final!
Findo o repasto, dirigimo-nos à praça frente à câmara municipal, faltava uma hora para o começo do jogo e os nervos já se faziam sentir! Aos poucos os aliados ficaram completamente lotados pelos adeptos, que a alto e bom som cantaram, assim que no estádio se fez ouvir o hino nacional.
“Heróis do mar…”, não seriam estes heróis do mar, mas sem dúvida os da bola que conseguiram colocar o nosso país, mais uma vez numa final de um campeonato europeu.
“Contra os canhões, marchar, marchar…”, não marchar, mas sim correr, contra uma equipa que à partida era a preferida para vencer o desafio.
Assim que foram conhecidos os países que se defrontariam na final, as criticas vindas de França roçaram o mau gosto e caracterizam os nossos, a equipa das quinas de “dégueulasse”, ou seja, nojenta!
Que comece o espectáculo…
No meio da multidão, em bicos de pé lá fui aplaudindo os nossos, gritei vezes sem conta e acreditem o meu vocabulário ficou bem mais rico com os inúmeros nomes que os que me rodeavam apelidavam o árbitro e a os jogadores da equipa gaulesa, principalmente quando infligiram a lesão ao melhor do mundo, o nosso Ronaldo.
O jogo já estava bem adiantado, o empate não era aceite e Fernando Santos faz entrar Éder, confesso que não fiquei muito contente e a julgar pelos apupos nos aliados, ninguém estava de acordo. Mas se o seleccionador fez esta opção é porque sabia o que estava a fazer…
E não é que o rapaz consegue colocar Portugal na frente do marcador?!
Foi o delírio…um momento indescritível, saltamos, gritamos mais uma vez, emocionamo-nos, estávamos a minutos de realizar um feito! A partir daí não mais sosseguei, enrosquei o cachecol nas mãos e rezei, rezei para que o jogo terminasse assim, mas logo o voltei a colocar em volta da cabeça onde estava aquando do golaço…superstições!
10…9…8…7… …2…1…nada!
Mas o árbitro não dá por terminado o jogo?!
Até que o apito final se fez ouvir e a felicidade de ver Portugal campeão europeu fez-me saltar vezes sem conta, gritar, abraçar e quase chorar! Mas que momento tão bom, mas que alegria…
Portugal precisava desta vitória, Portugal mereceu ganhar a esta França, que julgava garantida a vitória, que nos humilhou e apelidou de “degueulasse”!
Não, não somos “degueulasse”, mas foi com um golaço que vos calamos de vez!
Portugal é campeão e para sempre poderemos recordar este feito que nos encheu de orgulho, mesmo que daqui a 4 anos conheçamos um novo vencedor!
Obrigado Portugal por uma prenda de anos antecipada!
Viva Portugal.

(Imagens da final no Porto)


Carlos

8 comentários

Comentar post