Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Café em Grão

Lenda e tradição

26.05.16

IMG_20160525_214631.jpg

São três, quatro semanas de folia e mal parecia eu não ir à festa da cidade que me viu crescer!
Reza a lenda…
… que Nicodemos, amigo de Jesus e hábil escultor, reproduziu  em madeira algumas imagens, as quais, não pode guardar por muito tempo, já que a perseguição que na época era movida aos cristãos não o possibilitava. Como artista e como cristão, preferiu confiar ao mar o seu trabalho, do que vê-lo sacrificado nas fogueiras dos seus perseguidores judeus e romanos. As imagens teriam sido lançadas ao mar Mediterrâneo, na longínqua Palestina. Uma delas terá atravessado o Estreito de Gibraltar e, chegou à praia de Matosinhos. Em memória do facto, levantou-se na praia, um Padrão que ainda se vê na entrada do molhe sul do Porto de Leixões. A escultura, à qual faltava um braço, foi guardada e venerada pela população, no Mosteiro de Bouças.

Ainda segundo a lenda, vários braços foram mandados esculpir, mas nenhum deles se conseguia ajustar à imagem. Decorridos já cinquenta anos e, andando uma pobre mulher na praia apanhando lenha para abastecer a sua lareira, deparou com um pedaço de madeira maior que o habitual. Chegando a casa, atirou-o para o lume, mas logo este saltou para fora da lareira; isto repetiu-se por diversas vezes. Esta mulher tinha uma filha muda que, ao ver aquele facto estranho, miraculosamente falou pela primeira vez, dizendo que aquele pedaço de madeira era o braço que faltava ao Senhor Bom Jesus de Bouças.

Correu logo a notícia e colocado o braço na imagem, constatou-se que o mesmo encaixava correctamente… E até hoje lá ficou!
 A partir daí, todos os anos, sete semanas depois da Páscoa, realizam-se as festas em honra ao Senhor de Matosinhos com direito fogo de artificio, fogo preso e a feriado municipal que este ano foi no dia 17 de Maio.

Todos os anos vamos à festa, embora já não viva em Matosinhos, toda a minha infância e juventude foi vivida lá e actualmente é a cidade onde trabalho e onde ainda vivem os meus familiares.
Percorremos as duas avenidas, que acabam interditas ao trânsito, cheias de barracas de artesanato, louças e utensílios de cozinha. Por esta altura não faltam também, os vendedores de manjericos, os grilos em casotas coloridas e os homens estátua que fazem as delícias dos mais novos. Num parque lateral encontramos os carrosséis e nós  ficamos logo esclarecidos, muita aventura para a nossa idade, seguimos em frente para o mais importante, que…
Em festa que se preze não poderia faltar, as roulottes das farturas e dos churros e os famosos restaurantes ambulantes com o famoso pão com chouriço ou a bifana recheada!
E nós que não somos nada gulosos, este ano fomos três vezes ao famoso pão com chouriço que estes últimos dois anos vêm recheados com queijo. A ementa é simples, um caldo verde para aconchegar o estômago, um pão com chouriço e queijo e um sumo de ananás… Esta é a minha tradição!
Infelizmente, a festa termina já este domingo.
Se tiverem curiosidade visitem! Vale mesmo a pena!

Carlos

11 comentários

Comentar post